Secretaria dos Transportes Metropolitanos

Pitu 2020

O Plano Integrado de Transportes Urbanos para 2020 - Pitu 2020

Região Metropolitana de São Paulo
Resumo das proposições do Pitu 2020

Infraestrutura Intervenção Característica Investimento total (R$ milhões) Investimentos
anos meta (R$ milhões)
2006 2010 2015 2020
Trilhos Rede metroviária Implantação de linhas metroviárias (metrô, metrô em nível e metrô leve) 284 km em metrô 21.820 5.915 4.140 5.748 6.017
Trem especial dos aeroportos Ligação dos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Campo de Marte 44 km em trem especial 880   320 560  
Trem aproximador Modernização das linhas: melhoria do material rodante, via permanente, rede aérea e sistema de sinalização 88 km de melhorias 440 264 176    
Trem regional Ligação da metrópole aos pólos de Campinas, Sorocaba e São José dos Campos 177 km em trem reformulado 874 524 350    
Pneus Sistema metropolitano Implantação de corredores de ônibus e troncalização - EMTU 300 km de corredores exclusivos 223 131 80 12  
Sistema municipal - PMSP Construção de veículo leve sobre pneus - VLP e de corredores segregados (semi-canaletas) 260 km de corredores segregados 1.596 1.050 546    
Sistema complementar Criação de linhas circulares de microônibus no centro expandido interligando o sistema à rede aberta 200 km de itinerário em pista simples 33 33      
Viário Plano viário metropolitano Novas ligações, maior capacidade, cruzamentos em desnível, pavimentação etc. 262 km de melhorias 226 135 91    
Concessão das rodovias Obras de melhorias nas rodovias previstas nas privatizações 123 km de melhorias 519 519      
Rodoanel Construção integral, complementando o trecho oeste já considerado no viário essencial 121 km em pista dupla 2.562 818 818 682 244
Plano Municipal de Tráfego e Sistema Viário - PMSP Continuidade de execução das obras que estão previstas no PMTV-SP 149 km de melhorias viárias 283 170 113    
Incremento operacional do viário - PMSP Implementação de anéis de tráfego prioritário com obras de médio porte nas principais interseções. 52 pontos (interseções)15 km de melhorias em vias 527 316 211    
Gestão do trânsito Pedágio urbano Implantação no centro expandido, com a cobrança de uma tarifa de R$ 1,00 233 km2 de área pedagiada 15 15      
Estacionamentos centrais Implantação de garagens subterrâneas na área do centro expandido 30 locais com aproximadamente 11.440 vagas 223 60 41 51 71
Estacionamentos periféricos Implantação de estacionamentos junto ao sistema de trilhos previsto na rede proposta 40 locais com aproximadamente 26.300 vagas 91 24 17 21 29
Total       30.312 9.974 6.903 7.074 6.361

Sistema sobre trilhos

A rede de trilhos contempla:

  • atendimento aos importantes subcentros metropolitanos e sua interligação à cidade de São Paulo;
  • ritmo de implantação de linhas metroviárias superior à média dos últimos anos, equivalendo a R$ 1 bilhão/ano;
  • operação conjugada do trem regional de longo percurso nos atuais leitos ferroviários que atravessam a região metropolitana, propiciando a ligação aos pólos metropolitanos próximos: Campinas, Sorocaba e São José dos Campos;
  • trem aproximador: melhoria do sistema de trens da CPTM utilizando via compartilhada nos trechos comuns à operação das linhas do metrô em nível, para atendimento às áreas periféricas internas à região;
  • trem especial dos aeroportos, ligando Guarulhos, Congonhas e Campo de Marte, aeroportos e áreas atratoras de viagens de negócio.

A concepção da rede estrutural de trilhos urbanos teve como critérios:

  • considerar os investimentos já definidos na primeira etapa do Pitu;
  • prover um sistema integrado, com complementaridade de funções entre os modos, incluídos os sistemas municipais;
  • interligar pólos regionais e subcentros metropolitanos;
  • induzir novos vetores de ocupação urbana;
  • priorizar os atendimentos a grandes demandas com sistemas de transporte de alta capacidade sobre trilhos, privilegiando o combate à poluição atmosférica;
  • intensificar o uso dos leitos ferroviários como linhas de alta capacidade de transporte;
  • segregar os serviços ferroviários de carga, eliminando a passagem pela cidade das viagens externas à mesma;
  • racionalizar o sistema sobre pneus, de modo a manter o atendimento com redução de frota;
  • incentivar o uso de combustíveis não poluentes;
  • ligar os aeroportos à rede de alta capacidade, com serviço de alto padrão;
  • prover serviços especiais e facilidades de integração, de modo a atrair para o transporte público os usuários de automóveis.

 

Ilustração: A rede sobre trilhos

Sistema sobre pneus

O sistema contempla:

  • tratamento preferencial ao sistema de ônibus, dados os ainda elevados fluxos deste modal que ainda existirão;
  • implantação do sistema de média capacidade no município de São Paulo - o veículo leve sobre pneus (VLP) - e os corredores segregados (semi-canaletas), articulados ao sistema sobre trilhos e complementados por microônibus seletivos no centro expandido;
  • sistema segregado com tratamento físico dos corredores (canaletas ou semi-canaletas), preparando-o para a futura instalação de um sistema de pré-metrôs;
  • terminais de ônibus articulando e integrando os modais na região.

 

Ilustração: Sistema sobre pneus

Infraestrutura viária

O plano prevê a ampliação do sistema viário de interesse metropolitano propondo medidas de aumento de capacidade viária, superação de descontinuidades e supressão de cruzamentos, buscando promover a integração interna e externa da região, atender aos deslocamentos de passagem e propiciar a integração dos sistemas de transporte coletivo.

Além dessa infra-estrutura considerada essencial, o Pitu 2020 propõe a implantação completa do rodoanel e a implementação de anéis de tráfego prioritário de trânsito rápido, buscando incentivar o uso de rotas orbitais e diminuir o caráter radial do viário metropolitano interno ao município de São Paulo.

 

Ilstração: Infraestrutura viária

Terminais de integração

O plano prevê oferta de infra-estrutura às viagens por automóvel, induzindo um uso diverso do atual, estimulando a integração auto x coletivo. Visa garantir a acessibilidade do usuário de auto às regiões centrais via transporte coletivo, propondo a implantação de um conjunto de garagens localizadas próximas aos principais corredores e junto às estações de metrô, ferrovia e sistemas de média capacidade.

Gestão do trânsito e transporte

  • Propõem-se políticas que buscam regular o uso do automóvel e incentivar o uso do transporte coletivo, reduzindo o congestionamento nas áreas de trânsito comprometido:
  • ação permanente e modernização dos sistemas de controle de tráfego;
  • substituição de vagas patrocinadas por vagas privadas e eliminação de vagas liberadas ao longo do meio fio;
  • criação de valores de referência mínimos a serem adotados por estacionamentos da área central e eventual vinculação a investimentos no sistema de transporte coletivo;
  • pedágio urbano cobrado pelo uso no centro expandido, em dias e horários pré-definidos;
  • ações rotineiras de otimização da programação de linhas de ônibus;
  • aumento de acessibilidade ao centro expandido, com implantação de linhas circulares de microônibus.

Ações complementares

Ações integradas de transporte e meio urbano:

  • recomendações relativas ao meio urbano no entorno do sistema de transporte: revitalização de áreas lindeiras, uso do sistema para lazer e outras;
  • tratamento paisagístico de terminais e corredores de ônibus.

Recomendações relativas à gestão do sistema:

  • monitoramento do desempenho do sistema através de novos programas (como o de usuário fiscal, em curso na Secretaria dos Transportes Metropolitanos), tarifas e estudos complementares;
  • gerenciamento do viário metropolitano, através de um sistema de pontos de contagens dos fluxos de veículos e usuários do transporte coletivo, rotas fixas de velocidade de percurso, quantificação dos usuários dos sistemas de média e alta capacidade e outros.

Recomendações institucionais e/ou políticas:

  • articulação inter-governamental, com sistema de gestão condominial;
  • cooperação entre atores políticos e privados;
  • flexibilização dos produtos de transportes, com oferta de novos serviços, de acordo com desejos dos usuários e possibilidades tecnológicas disponíveis;
  • consolidação do processo de planejamento, incentivando revisões periódicas do plano, detalhamento dos projetos e um sistema de avaliação e acompanhamento da implantação;
  • estudo de mecanismos regulares de financiamento do sistema.

Ilustração: Ações Complentares

A metrópole que queremos e os resultados obtidos com o Pitu 2020

Visão futura da metrópole Pitu 2020
Uma metrópole competitiva, Aumento da acessibilidade
As diversidades econômicas dos municípios formam um conjunto multifuncional e eficaz. A metrópole está inserida na nova ordem mundial. a mobilidade atinge 1,57 viagens/habitante recuperando as condições existentes em 1977;
as medidas de facilidade de acesso da população aos bens e serviços urbanos têm seu valor praticamente dobrados;
amplia-se o raio de alcance das viagens motorizadas;
a velocidade média das viagens cresce aproximadamente 20%;
a velocidade do trânsito no centro expandido aumenta 16%, diminuindo os congestionamentos.
saudável, Melhoria do ambiente urbano
O modelo de desenvolvimento é sustentável. A metrópole propicia o desenvolvimento integral do homem. Os recursos naturais são usados racionalmente. dobra a mobilidade da população de baixa renda;
triplicam as facilidades de acesso da população de baixa renda aos bens e serviços urbanos;
aumenta em aproximadamente 30% a velocidade das viagens da população de baixa renda;
diminui em aproximadamente 35% a concentração de monóxido de carbono no centro expandido metropolitano;
diminui o nível de ruído no centro expandido, tornando as condições mais favoráveis que as de 1997.
equilibrada, Melhoria do atendimento aos pólos
Um espaço mais harmonioso. O cuidado com a cultura e os espaços públicos. O centro metropolitano revitalizado sedia atividades de cultura e lazer. triplicam as facilidades de acesso aos diversos pólos regionais;
aumenta aproximadamente em 25% a velocidade das viagens com acesso aos pólos regionais;
quadruplicam as facilidades de acesso ao centro histórico do município de São Paulo que, nas condições da estratégia mínima, encontrava-se estrangulado por congestionamentos;
aumenta em 52% o número de viagens coletivas com destino ao centro histórico.
responsável, Eficiência econômica
Programas e metas são executados sem descontinuidade, mesmo com as mudanças administrativas. a sociedade ganha em tempo um valor equivalente a 40 bilhões de dólares ao longo dos próximos 30 anos.
e cidadã. Melhoria da qualidade de serviço
Todos têm a oportunidade de viver com dignidade com acesso a bens e serviços. Um habitante consciente de sua cidadania e identidade metropolitana. reverte-se a tendência de queda da divisão modal a favor do coletivo que chega a atingir 59,6% das viagens motorizadas;
aumenta em aproximadamente 35% a velocidade das viagens coletivas;
amplia-se em 38% o raio de alcance das viagens por modo coletivo;
aumentam significativamente as viagens com integração modal auto x coletivo.
Todas as comparações deste quadro relacionam o desempenho da estratégia escolhida para o Pitu 2020 com o desempenho da estratégia mínima no cenário de pleno desenvolvimento.